O bolo perfeito de banana caramelada da Joyce

IMG_1767

meu bolo perfeito de banana caramelada (ou bolo invertido de bananas) é bem úmido com massa estruturada para suportar as bananas macias, que desmancham na boca!

Eu não consigo me lembrar, com exatidão, quando abocanhei um pedaço de bolo de banana caramelada (o tal do Upside-down cake , ou bolo invertido) pela primeira vez, mas sei dizer porquê é um dos meus bolos preferidos. Certas coisas na vida, felizmente, não precisam de explicação!

A lembrança mais forte que tenho de bolo de banana caramelada são das minhas férias, ou de todas as vezes que consegui escapar de São Paulo para surfar as ondas do Rio de Janeiro e encontrar a família. Sempre que pisava em solos cariocas já conseguia sentir o cheirinho de banana com caramelo, logo no elevador! Senão, a expectativa na estrada era de chegar faminta e devorar, sem piedade, sem oferecer para ninguém, um bolo inteirinho, feito só para mim, pela Eunice. (Obrigada Eunice, por construir em mim uma memória afetiva tão especial!!!)

É engraçado como mantemos uma relação tão forte com alguns alimentos, como eles realmente conseguem tocar nosso coração, ir fundo na alma e passar uma sensação reconfortante. Sou assim com o bolo de banana, sou assim com a torta de banana com doce de leite – que tanto lembra meu pai – sou assim com uma série de bolos que fizeram e fazem parte da minha vida, e por isso não só me levaram a criar uma confeitaria especializada em bolos, como a dividir essas receitas através do Essência e dos meus livros.

Tanto amor por esse bolo me levou a querer aperfeiçoa-lo sempre que possível, e muitos fatos da vida, tão pessoais, me ajudam nessa busca: um dia a avó do meu marido faz um bolo de banana com nozes, no outro vejo meu pai colocando uma pitada de alguma especiaria no seu doce de banana, servindo com sorvete de sabores diferentes ou acrescentando um pouquinho de bebida… São pitadas de amor que pego daqui, de acolá, tentando assim criar o bolo mais perfeito do mundo. Ao menos do meu mundo.

De tanto amor eu já compartilhei essa receita com muitas pessoas. Ela foi parar em diversos sites, ganhou fama em programa de TV e até desfilou em páginas de revista – por fim virou o bolo perfeito de muita gente. Fico feliz, muito feliz (!) – afinal fui eu que levantei a bandeira Por mais dias com bolo – esse é meu lema, e nada melhor que ver uma receita que representa tanto para mim enchendo a casa de outras famílias de doçura!

Para esse bolo ser perfeito é preciso começar pelo preparo da fôrma. Eu já testei vários tipos de caramelo: o feito com água (método molhado), com manteiga – para parecer um toffee, com açúcar mascavo, com mistura de açúcares, com caramelo envolvendo toda a banana – em cima, embaixo, dos lados, transbordando e enfim; todos me pareceram ter um resultado único e incrível! Mas o método torna tudo mais especial, é quando lembro da minha mãe caramelando fôrma de pudim – direto na boca do fogão! O açúcar purinho se transformando em uma calda, de aroma avassalador, extremamente perigosa – afinal, meus dedinhos não podem responder à vontade de comer aquela calda com as mãos mesmo, lambendo os dedos…. É preciso esperar ela fazer seu papel mágico dentro do forno.

Por essa simples razão o meu bolo perfeito tem que ser caramelado do mesmo jeito que a minha mãe faz: pelo método seco. Aqui começa a minha conexão especial com esse bolo!

Saiba mais sobre os métodos de caramelização

Fôrma preparada descansando no fogão, sigo para as bananas. Na minha casa sempre teve banana maçã, mas vou confessar, não é muito minha praia. A minha preferida sempre foi a nanica, que de nanica, convenhamos, não tem nada! Ela é doce, cremosa, se funde na massa do bolo como nenhuma outra e, sem dúvida nenhuma, uma das mais perfumadas! Portanto, minha opção! Aqui nesse artigo falo um pouco sobre a fruta símbolo do Brasil e os tipos mais comuns!

O ponto das bananas é importante. Primeiro não podem estar muito maduras, senão correm o risco de virarem purê ou encolherem demais, elas devem sim estar maduras, porém firmes – a tal da “banana de vez” que as avós tanto falam. O corte delas também é importante, talvez a parte mais importante de todo preparo!

Eu, antigamente, gostava da banana em rodelas… quase sobrepostas, para não mostrar nenhum buraquinho de bolo. Se você deixar uma fatia do lado da outra, depois de assadas elas vão encolher e o bolo vai ficar com uma cara meio murchinha… Se você deixar as bananas bem apertadinhas – quase sem respirar! – o resultado visual vai ficar mais bonito (e gostoso!). Mas essa de rodelas ou fatias, ou até picadas, é uma questão meio de “o momento que estou vivendo na vida”. Nunca vou conseguir justificar qual a mais perfeita… mas consigo dizer, com ares de gulosa, que as rodelinhas deixam o caramelo penetrar mais na massa, deixando o bolo muito mais suculento. Cortadas no sentido do comprimento elas podem revelar a imagem de uma cruz, como os nordestinos temem – mas o resultado fica muito mais chique, não acham?

Fôrma caramelada, bananas muito bem acomodadas, hora da massa!

Uma massa leve como um pão de ló não dá conta de suportar o peso das bananas, aqui a ordem é uma massa que seja, sim, fofinha mas “corpulenta” para suportar tamanha gostosura! Por isso eu opto pelo pound cake. Originalmente é uma massa de partes iguais de ovos, açúcar, manteiga e farinha. Dá para adicionar leite, iogurte ou buttermilk, fazendo alguns ajustes na quantidade de ovos e ingredientes secos – mas eu sou um pouco purista para certos doces, e prefiro fugir dos líquidos para que o sabor amanteigado sobressaia.

IMG_17712

Essa massa aceita bem alguns ingredientes adicionais como as nozes – cuja  combinação foi inspirada pelos bolos da avó do meu marido – nada combina tão bem com bananas como nozes crocantes! E avelãs? Talvez substituir um pouco da farinha de trigo por farinhas de amêndoas ou cacau em pó, ah sim (!), noz moscada, a especiaria ‘par perfeito’ para as bananas! Elas sempre dão um toque especial, que quase ninguém percebe, tamanha perfeição da união dessas duas mocinhas! Esses são ingredientes que não vão influenciar na estrutura da massa, apenas no sabor, então pode abusar! Eu, por conta disso, nunca consigo fazer o mesmo bolo duas vezes, as vezes nem preciso pesar os ingredientes e vou misturando tudo que está no meu “momento gula” do momento. E por isso, a cada vez, um bolo perfeito, para cada momento!

Bolo pronto, só levar ao forno, que já esta pré aquecido a pelo menos uns 10 minutos, quentinho para receber um bolo feito com muito carinho! Banho maria? Dispenso! A mágica acontece melhor com um calor mais intenso!

Mas o melhor ainda esta por vir! A hora de tirar o bolo do forno!!! Eu sou apressada, daquelas que as vezes come cru. E por isso logo que eu tiro o bolo do forno eu já desenformo. Sim, sim, tem a “regrinha” de esperar os 5 minutinhos para a massa esfriar, retrair da forma e ser mais fácil de desenformar. Mas a santa dos bolos nunca me deixou na mão, e logo que sai do forno eu já viro de ponta cabeça, corto um pedaço bem generoso e como o bolo no seu apogeu!

Não tem nada, nada nada nada, melhor que pão quentinho, pelando! E uma fatia de bolo quentinho, levinho como nuvem, fazendo barulhinho de pés pisando na neve (são as bolhinhas de ar!)? Dor de barriga? Ah, sério? Nem a minha avó contava mais essa… ela sabia que não era verdade, era uma mentirinha besta e inocente para afastar os gulosos da cozinha!

E é assim que o MEU bolo de banana caramelada perfeito é feito! Com muitas recordações, pedaços das pessoas que mais amo, um toque todo pessoal e comido quentinho, recém saído do forno, no seu melhor momento!

E o seu, como é o seu bolo perfeito? Acesse aqui a receita do meu bolo de banana caramelada, e comece a modificar a receita pouco a pouco, dando seu toque pessoal. Depois me conta o que faz do seu bolo, um bolo perfeito?

Comments

comments

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *