Como abrir o coco seco e extrair o leite artesanalmente

IMG_2036

extração do leite de coco fino (ou ralo)

O coco não é fruto nativo do Brasil, surgiu na região sudoeste do Pacífico e se espalhou pela Ásia e África, chegando em terras tupiniquim apenas no século XVI, pelas mãos dos portugueses, nossos colonizadores responsáveis por enriquecer o país com diversos ingredientes.

Preparar uma sobremesa com coco fresco tem resultados infinitamente melhores do que com o coco industrializado. Desenvolver um doce com tamanho frescor é escandalosamente mais gostoso, e o leite de coco artesanal é, sem dúvida nenhuma, sempre a melhor opção.

O leite de coco pode ser extraído com texturas variadas que vão atender a necessidade de cada receita. Mas primeiro vamos aprender a abrir a fruta!

O processo é simples:

  1. Com um saca rolhas fure um dos “olhos” do coco para retirar a água – geralmente dos três, um é mais macio para ser furado. Retire toda a água e reserve.
  2. Leve o coco ao forno pré-aquecido a 200-220 °C por aproximadamente 20 minutos, ou até rachar – pode colocar o coco direto na grade do forno.
  3. Retire o coco do forno, puxe toda a casca com o coco ainda quente, com o auxílio de uma faca sem ponta. Se tiver dificuldades, com um martelo de carne de batidinhas na casca até que ela se quebre e a amêndoa do coco consiga ser retirada inteirinha. Cuidado para não quebrar o coco em mil pedaços (!), com ele inteiro será muito mais fácil tirar a pele!
  4. Para retirar a pele use uma faca ou descascador de legumes.
IMG_1923

um dos “olhinhos” do coco é mais molinho para ser furado e extrair sua água

Ainda, se não quiser levar o coco ao forno existem CINCO outras possibilidades (dentre tantas outras que ainda estou por descobrir!):

  1. queimar direto na chama do fogão girando o coco a cada 15 segundos, com o auxílio de uma pinça de cozinha, para ele queimar igualmente (por volta de 1 a 2 minutos). Retire o coco ainda quente, enrole em um pano de prato e bata no chão – o coco vai quebrar e sair limpinho, sem casca, sem pele, pronto para usar;
  2. coloque o coco na chama do fogão até a casca rachar. Com o auxílio de uma faca sem ponta retire toda a casca. O resultado é a amêndoa do coco inteirinha, com pele;
  3. congele (isso vai evitar que a polpa se estrague quando o coco for queimado no fogo) e queime o coco até que ele fique preto. Retire do fogo e com carinho de batidinhas leves com um martelo até a casca se desprender. Com o auxílio de uma faca sem ponta retire toda a casca. O resultado é a amêndoa do coco inteirinha, com pele ainda;
  4. pensar em algo que te deixe com muito ódio no coração e sair dando marteladas no coco! Mas esse processo vai fazer com que o coco se quebre inteiro, pra tudo quanto é lado – diversos pedaços irregulares com pele que vai dar um trabalhão para descascar!
  5. usar um facão e ter muito cuidado! Cada “olhinho” tem uma linha bem definida que circunda o coco todo. Para rachar a casca basta bater bem em cima dessa linha, na parte mais abaulada do coco, com a parte oposta da faca. É só ir batendo e girando o coco até ele rachar ao meio. Coco rachado é só puxar a casca com o auxílio de uma faca sem ponta. O resultado é a amêndoa perfeita ainda com pele. Serviço limpo, sem riscos de queimaduras e estresse!!!

Caso não queira fazer o processo de abrir o coco você pode comprar o coco fresco ralado na feira-livre do seu bairro, ou o congelado em supermercados e casas de produtos para confeitaria. O processo e resultado para produção do leite artesanal é o mesmo!

Com o coco limpinho em mãos, já descascado, é hora de ralar ou então cortar em pedaços pequenos para bater no liquidificador. E aqui é hora de decidir qual a textura queremos para o nosso leite.

Para um leite de coco mais espesso (leite de coco grosso), quase como a textura do industrializado, vamos usar para cada 1 xícara (chá) / 100g de coco ralado e ½ xícara (chá) / 120mL água (pode ser a própria água retirada do coco completada com água filtrada). Para um leite de coco mais ralinho a quantidade de água dobra, ou seja, para cada 1 xícara (chá) / 100g de coco ralado, 1 xícara (chá) / 240mL de água (do próprio coco ou filtrada).

Coloque esse suco de coco em um pano de algodão limpo e aperte até extrair todo o líquido da polpa.Essa é a primeira extração que rende dois tipos de leite de coco.

Em uma segunda extração, ou seja, depois de retirado esse primeiro leite, podemos acrescentar agora água quente ao bagaço e assim obter um leite de coco ralo e com menos quantidade de gordura. Para ele volte o bagaço ao liquidificador com a água quente (para 1 xícara (chá) /100g de coco ralado use 1 xícara (chá) / 240mL de água quente) e bata por aproximadamente 3 minutos. Volte esse suco para o mesmo pano de algodão e esprema bem, até extrair todo o líquido. Molhe a trouxinha novamente no líquido já coado e vá espremendo até extrair o máximo que puder (aproveitando todo o restinho de leite que possa ter no bagaço) e o líquido ficar branco (para isso você vai precisar repetir esse processo pelo menos 6 vezes).

Leite de coco fresco e delicioso, ele pode ser mantido 3 dias em geladeira. Ah e não se assuste, as fases vão se separar – para uso basta chacoalhar com bastante gingado e usar em seus doces, e a cor não vai ser tao branquinha como do leite industrializado. E o bagaço? Não jogue fora! Dá para usar em diversas receitas ou congelar por até 1 mês!

IMG_2041

bagaço do coco após extração do leite fino (ou ralo)

Referências

AMADO, Paloma. Tempero da Dadá. Editora Corrupio, Salvador, 1998.

FERNANDES, Caloca. Viagem gastronômica através do Brasil. São Paulo: Editora Senac: Editora Estúdio Sonia Robatto, 2002.

Comments

comments

1 Comment

  1. fbeth

    !!Há diferença entre os cocos?
    Vejo que tem coco da baia, coco verde, coco seco!
    Ou são todos a mesma coisa?

    Reply

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *